Inovação Disruptiva e Gêmeo Digital, qual o ponto de encontro?

Fernando Munhoz Motta, Process Intelligence Leader na gA, companhia global de tecnologia que utiliza plataformas digitais e serviços de transformação, fala neste artigo sobre Digital Twin e Inovação

Popularizada entre os empreendedores do Vale do Silício, a teoria da Inovação Disruptiva foi criada por um professor de Harvard, Clayton M. Christensen, e se baseia no conceito de mudar o estado atual de uma tecnologia, produto ou serviço por meio de características inovadoras em vez de evolutivas, que consistem somente em melhorias nos produtos existentes, ou seja, não desenvolvem novidades.

Já o termo Gêmeo Digital, do inglês "Digital Twin (DTO) ", define uma cópia digital da realidade, que permite simular todos os processos de uma empresa e obter respostas em um ambiente seguro e sem riscos, fidedigno ao modelo real. Com isso, torna-se possível validar a aplicabilidade das ideias e analisar cenários simulando os resultados esperados. Por exemplo, pode verificar se o processo será capaz de suportar uma demanda projetada, o que significa tempo hábil para a tomada de decisão. Ou seja, chega de apagar incêndios!

A execução do Gêmeo Digital se dá por meio de tecnologias como a Internet das Coisas, Inteligência Artificial e técnicas que permitem uma rede inteligente, conectada e autônoma de pessoas, objetos e serviços. O termo nasceu a partir da demanda de consumidores cada vez mais exigentes e voláteis, que não permitem erros.

Na última grande conferência do Gartner, a consultoria apontou dez tendências tecnológicas estratégicas para 2019. Uma delas, os Gêmeos Digitais. Por que? Com essa cópia da realidade, osempresários possuem mais controle e gerenciamento da sua companhia e, assim, ganham mais qualidade, flexibilidade e produtividade em todos os processos.

Mas qual o ponto de encontro entre as tendências da Inovação Disruptiva e dos Gêmeos Digitais? Em soluções que permitem, a partir de dados coletados em diversas fontes, realizar um mapeamento dos processos da empresa, com base em fatos e não apenas suposições. Desta forma, os tomadores de decisões conseguem inovar com disrupção e sem se preocupar com os possíveis impactos em suas operações. É aqui que essas duas tendências se convergem.

Para chegar a esse patamar é preciso aplicar os conceitos de Process Intelligence, Data Analytics e Machine Learning para espelhar as empresas e, assim, gerar o seu Gêmeo Digital. Com isso, cada passo pode ser monitorado, em tempo real, possibilitando a análise, a simulação e a validação das ideias antes da sua aplicação. Por meio dessas tecnologias também são identificadas as variáveis do processo, e não apenas o "caminho feliz" ou a "única saída", além dos gargalos, das atividades desnecessárias, dos retrabalhos, dos problemas de compliance, das pessoas envolvidas, entre outros.

Outro trunfo é a possibilidade de comparar processos, sobrepondo-os para evidenciar as semelhanças e diferenças, aplicando também filtros sobre as dimensões do processo e os analisando sob diversas óticas. O intuito é possibilitar a identificação das diferenças de desempenho, do custo e do tempo. E o melhor, essa análise permite que o executivo controle a sua empresa em tempo real! Parece um sonho, não é mesmo? Mas são os conceitos de disrupção e cópia digital aplicados em tecnologias!

O Gêmeo Digital permite que as empresas suportem a sua jornada por meio de uma ferramenta que mapeia processos olhando para os dados do passado e identificando os reais problemas nos processos e as oportunidades de melhoria para, assim, caminhar em direção ao futuro rumo à Transformação Digital! Vamos navegar nessa jornada?